NOSSA VIDA

"SE RESSUSCITASTES COM CRISTO, BUSCAI AS COISAS DO ALTO, ONDE CRISTO ESTÁ SENTADO À DIREITA DE DEUS. AFEIÇOAI-VOS ÀS COISAS DO ALTO, E NÃO ÀS DA TERRA, PORQUE ESTAIS MORTOS, E A VOSSA VIDA ESTÁ ESCONDIDA COM CRISTO EM DEUS".

 

Colossenses, 3

     A atual geração de monges procura ser fiel à herança recebida numa vida que tenta manter o equilíbrio do horário beneditino (oração, trabalho e leitura) e a tradição cisterciense do trabalho manual. Os trabalhos da casa são os mais diversos, tanto manuais (cozinha, limpeza e conservação da casa, lavanderia, jardinagem, apicultura, produção artesanal de doces, pães e bolos para venda, pequenas oficinas de encadernação e carpintaria, extração de resina do bosque de pinus, etc.) como outros de natureza mais intelectual (cuidado da biblioteca, estudos, traduções, cuidado do arquivo, adminstração etc.). O trabalho monástico não deve ser apenas ocupação mas real empenho dos que desejam contribuir para o sustenta da comunidade, sendo assim uma exigência da pobreza. Tanto quanto possível, deve estar unido à oração pessoal, já que existem estados de oração compatíveis com as diversas atividades exercidas. Para os cistercienses, a relativa monotonia do trabalho manual sempre foi valorizada como ocasião favorável para viver a presença de Deus na oração.

 

     A consagração do monge ao serviço e ao louvor de Deus no interior do mosteiro é o principal contributo que presta à Igreja, conforme ensinou o Concílio Vaticano II. Faz parte desse serviço, de forma eminente, a celebração diária da Eucaristia e do Ofício Divino, que reúne toda a comunidade sete várias vezes por dia na igreja do mosteiro, em celebrações sempre abertas a todos.
Mas a vida de oração do monge não se esgota nas celebrações litúrgicas. A oração pessoal prepara para o Ofício Divino e dele recebe o seu vigor, de tal forma que não há oposição, mas complementação.

 

FormatFactoryIMG_4153.jpg

"O sangue de Cristo requer de nós a obediência até a morte, porque Cristo sofreu por nós, dando-nos o exemplo para seguirmos os seus passos, isto é, até a morte, e morte com Ele. Exige de nós morte por morte, o mesmo que nos livrou da morte! Ó imensa maravilha! A morte nos livra da morte, e nos obriga a morrer! Contraímos uma dívida de morte, porque mossa dívida de morte foi sanada. Por um novo motivo, temos uma dívida de morte,  depois da antiga culpa, se queres, mas também uma nova graça."

 

Balduíno de Ford

Vigília Pascal.jpg
  Muito importante é o desejo de uma autêntica comunhão fraterna, com o sincero desejo de partilha e a divisão dos trabalhos e responsabilidades, num clima de simplicidade, silêncio e oração que favorece a tarefa fundamental do monge, a busca de Deus. De fato, para São Bento, esta busca não é apenas um esforço individual, mas os monges caminham juntos, solidários uns com os outros, na mesma procura e no mesmo desejo de Deus.

 

"Por uma maravilhosa disposição da divina Providência, encontramos em nossos desertos o descanso da solidão, sem ficar privados, entretanto, do consolo de uma santa e agradável companhia. Cada um pode sentar-se solitário, e guardar o silêncio. Ninguém lhe dirá uma única palavra, e assim não incorrerá na maldição 'Maldito aquele que está só: não tem ninguém próximo dele que o ajude e reconforte, nem para levantá-lo se o vento o fizer cair.' (Eclo 4,10). Vivemos em meio a uma numerosa sociedade, e no entanto não estamos na multidão. Estamos em plena cidade, mas não temos queixa alguma de nenhum tumulto que nos impediria de escutar a voz que grita no deserto, se guardamos o silêncio tanto interior como exterior."

 

Beato Guerrico de Igny

FormatFactoryIMG_0676.jpg
FormatFactoryIMG_0980.jpg
FormatFactoryOfício.jpg
FormatFactoryIMG_0201.jpg
FormatFactoryIMG_4230.jpg
FormatFactoryIMG_4510.jpg
FormatFactoryFormatFactory100_1827.jpg
FormatFactoryIMG_2350.jpg

O horário

CONFIRA ABAIXO O HORÁRIO DAS ATIVIDADES EM NOSSA ABADIA

 

 

Despertar

 

Vigílias

 

Lectio Divina e oração pessoal

 

Laudes

 

Santa Missa

 

Terça - trabalho

 

Fim do trabalho

 

Sexta

 

Angelus - almoço

 

Descanso

 

Noa - trabalho

 

Fim do trabalho

 

Lectio divina - estudo - oração pessoal

 

Vésperas

 

Jantar

 

Colações

 

Completas

 

Descanso noturno

3:30

 

3:45

 

Imediatamente após as Vigílias

 

6:30

 

7:00

 

8:30

 

11:45

 

12:00

 

12:15

 

 

 

14:00

 

16:00

 

16:30

 

18:00

 

Imediatamente após as Vésperas

 

19:10

 

19:20

 

19:40

"Exaltai ao Senhor, diz a Escritura, enquanto podeis: nunca é demasiado! Rica matéria, doce ocupação! Que há de mais doce, que há de mais agradável que esta ocupação que por si só representa aqui embaixo a imagem da sorte dos anjos e da vida futura? É bom, diz o salmista, louvar ao Senhor, e cantar o vosso nome, ó Altíssimo."

 

Gilberto de Hoyland

FormatFactoryIMG_4541.jpg
FormatFactoryIMG_4548.jpg
FormatFactoryIMG_4552.jpg
FormatFactoryFormatFactoryIMG_3970.jpg
434715669979864.jpg
44814322_2307569162605912_2209430897613078528_o.jpg
FormatFactoryFormatFactoryIMG_0219_edited.jpg
FormatFactoryIMG_0585.jpg
FormatFactoryFormatFactoryIMG_0439.jpg
FormatFactoryFormatFactoryIMG_2396.jpg
FormatFactoryIMG_2282.jpg
FormatFactory4377362-manifest-audio_por_1=99266-video_por=997000-37_Moment.jpg
FormatFactory4377362-manifest-audio_por_1=99266-video_por=997000-38_Moment.jpg
Sem título.jpg
FormatFactory4377362-manifest-audio_por_1=99266-video_por=997000-22_Moment.jpg
FormatFactoryIMG_0202.jpg
FormatFactoryIMG_3796 (2).jpg

"Permanecei em um santo repouso, e reconhecei que o Senhor é Deus. Mas, para alcançá-lo, é preciso que antes vos apliqueis em conhecer o que sois, como disse o profeta: 'Que os homens saibam que não passam de homens'. A esta dupla consideração deve ser consagrada a nossa vocação, segundo a oração de Santo Agostinho: 'Meu Deus, que eu conheça a ti, e que me conheças a mim'".

 

São Bernardo de Claraval